Economia | Notícias de Fato
Category

Economia

Brasília - Pessoas enfrentam filas no primeiro dia de saque do FGTS de contas inativas (Antonio Cruz/Agência Brasil)

Programa de saque de contas inativas do FGTS entra na última semana

By | Brasil, Economia | No Comments

O prazo para a retirada dos valores das contas inativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) termina na próxima segunda-feira (31). Até agora, já foram pagos mais de R$ 42,8 bilhões, para 25,3 milhões de trabalhadores.

 Segundo a Caixa Econômica Federal o montante pago até o dia 19 de julho equivale a 98,33% do total inicialmente disponível para saque (R$ 43,6 bilhões). O número de trabalhadores que sacaram os recursos das contas do FGTS representa 83,73% das 30,2 milhões de pessoas inicialmente beneficiadas pela medida.

Agora, o saque está liberado para todos os trabalhadores que têm direito ao benefício, não importa a data de nascimento. Pode fazer o saque quem teve contrato de trabalho encerrado sem justa causa até 31 de dezembro de 2015.

Os trabalhadores podem consultar o saldo a receber na página da Caixa. Outra opção é o Serviço de Atendimento ao Cliente pelo 0800 726 2017.

Brasília - Postos de combustíveis ajustam os preços e repassam para o consumidor o aumento da alíquota do PIS e Cofins pelo litro da gasolina(Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Aumento do imposto pode encarecer frete em até 4%, aponta ANTC

By | Destaques, Economia | No Comments

O aumento do imposto do combustível poderá gerar um aumento de até 4% no preço do frete, segundo estimativa da Agência Nacional de Transporte de Cargas (ANTC), entidade que atua no ramo de consultoria em agenciamento de cargas. Na ponta, segundo análise da entidade, o reajuste poderá encarecer principalmente produtos com menor valor agregado, como arroz, farinha e outros produtos da cesta básica. Além disso, os produtos ficarão mais caros no Norte e Nordeste, regiões mais distantes dos polos produtores no Sul e Sudeste.

“O quanto do frete será repassado ao produto vai depender do peso do frete no produto. Tem produto que não representa nada. Mas têm situações piores, nas quais o frete pesa, quando o valor do produto é baixo, como na cesta básica com arroz, feijão, farinha. O preço do frete nesses produtos é alto”, disse o assessor técnico da ANTC Lauro Valdívia. “As distâncias maiores também são mais impactadas pelo frete”.

O transporte terrestre predomina no Brasil, 60% das mercadorias são transportadas por caminhões no país. Nas cidades, essa porcentagem aumenta para 95%, segundo a ANTC. De acordo com a entidade, o combustível representa 40% do custo de um frete e o aumento geralmente é repassado para o preço do transporte. “O transportador não tem como não repassar esses 4%. Está sem margem nenhuma. O frete cai desde 2014. Mesmo na época boa, a margem [de lucro] era de 5%, fica difícil segurar”, disse.

Além do mercado interno, o aumento poderá ter impacto também no mercado externo. Os caminhões que transportam carga para a exportação são maiores e o combustível ultrapassa a média de 40% no custo do frete. Nas cidades, a porcentagem cai, e o combustível de pequenos caminhões chega a representar 10% do custo.

Com dificuldades em recuperar a arrecadação, o governo decidiu aumentar tributos para arrecadar R$ 10,4 bilhões e cumprir a meta fiscal de déficit primário de R$ 139 bilhões. O Programa de Integração Social (PIS) e a Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) sobre a gasolina, o diesel e o etanol subiu para compensar as dificuldades fiscais.

A alíquota passou de R$ 0,3816 para R$ 0,7925 para o litro da gasolina e de R$ 0,2480 para R$ 0,4615 para o diesel nas refinarias. Para o litro do etanol, a alíquota passou de R$ 0,12 para R$ 0,1309 para o produtor. Para o distribuidor, a alíquota, atualmente zerada, aumentará para R$ 0,1964. A medida entrará em vigor imediatamente por meio de decreto publicado no Diário Oficial da União.

Para o porta-voz da Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam), Bolívar Lopes, o aumento resultará em uma reação em cadeia. “A Abcam reconhece as dificuldades que o país atravessa. No entanto, o aumento de combustíveis nesse momento levará a encarecimento de muitos produtos para o consumidor final. O transportador também é consumidor final, para o caminhoneiro vai aumentar diesel, pneus, manutenção do veículo e outros insumos”, disse.

Segundo ele, o preço dos fretes, que já estavam abaixo dos custos atuais, ainda deve demorar um pouco para ser reajustado, uma vez que os transportadores não querem perder clientes. “Em certas situações haverá um impacto imediato. Em outras, esse impacto será a médio e longo prazo. Nesse momento, as negociações [entre caminhoneiros e clientes] vão ser muito importantes. Os contratos em andamento serão vistos com cautela”.

Um dos impactos, quando o preço começar a ser repassado, de acordo com Lopes, será a redução do volume de mercadoria transportada. “O setor recebeu esse aumento com preocupação. Vínhamos pleiteando a desoneração do diesel justamente para equilibrar o valor do frete, que está abaixo da realidade”.

Foto: Agencia Brasil

Especialistas alertam que indústria do futuro vai gerar desemprego

By | Brasil, Economia | No Comments
Foto: Agencia Brasil

Foto: Agencia Brasil

A preocupação com o desemprego que será gerado com uso de tecnologias na indústria do Brasil foi tema de debate hoje (19) durante o Fórum Indústria 4.0, realizado pela Câmara Americana de Comércio (Amcham), em São Paulo. A quarta revolução na indústria, alavancada pelos robôs, sensores e tecnologia da informação, promoverá ganho de produtividade.

Segundo o último levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a taxa de desemprego no país ficou em 13,3% no trimestre encerrado em maio. O contingente de desocupados no Brasil é de 13,8 milhões de pessoas.

João Alfredo Delgado, diretor de tecnologia da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), disse que o profissional do futuro precisa de qualidades como talento e raciocínio. “Vai ter outro tipo de emprego e aí está o problema. Teremos um estoque de pessoas, talvez não qualificadas”, afirmou.

Problema social

Para ele, pode-se fazer uma relação com a mecanização da agricultura, onde até os tratores passaram a dispensar um condutor humano. “Nas cidades, sofremos com milhões de pessoas entrando sem emprego. É um sério problema social. O Brasil vai sofrer mais porque o país tem um contingente de trabalhadores despreparados”, acentuou.

Segundo Fernando Pimentel, presidente do conselho de administração da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), o setor pode ser fortemente afetado pela tecnologia. Do total de 1,5 milhão de empregos, 1,2 milhão atua na manufatura do vestuário.

Pimentel defende que não haja retrocessos por receio de aumento no desemprego e que o país invista na educação. “Não podemos esperar o Brasil ficar pronto. A solução é o país ter políticas macroeconômicas mais consistentes”, disse.

Márcio Girão, diretor de inovação da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), cita a necessidade de atualização nos currículos das escolas técnicas e de engenharia. “Há um abismo na educação, precisamos de mais inclusão digital”, observou.

Câmbio

AML Consulting alerta os viajantes que precisam comprar moedas estrangeiras

By | Destaques, Economia, Mundo | No Comments

Empresa dá dicas para quem pretende viajar nessas férias e não ter aborrecimentos ao comprar moedas estrangeiras

 Quem vai viajar para o exterior neste período de férias deve tomar alguns cuidados que evitam grandes transtornos, como a aquisição de cédulas falsas, que podem acarretar uma série de problemas em aeroportos ou mesmo nos países de destino. A AML Consulting, maior bureau reputacional e líder nacional no mercado de soluções e serviços de prevenção à lavagem de dinheiro, alerta aqueles que estão com as malas prontas para terem cuidado redobrado na hora de realizar uma operação cambial.

Alexandre Botelho (3)O sócio fundador da AML Alexandre Botelho alerta sobre os cuidados que devem ser tomados ao adquirir a moeda estrangeira. “Algumas pessoas buscam o mercado informal para a compra de dólares, euros, libras e outras moedas, acreditando estarem em vantagem ao adquirir essas moedas com taxas inferiores. Porém, quando se faz os cálculos, percebe-se que a diferença final dos valores é mínima. Já vi casos em que a economia final seria de apenas R$ 200, valor que, em alguns países, daria para custear apenas uma refeição”, Botelho destaca também sobre a vulnerabilidade das pessoas quando se fala na compra de moedas estrangeiras. “Se o dinheiro for falso e a pessoa for flagrada, como ela vai comprovar a origem das cédulas? Isso pode levar à prisão em outro país. Além disso, pode ser que esses recursos sejam derivados de esquemas de lavagem de dinheiro oriundo da corrupção ou do tráfico de drogas, fazendo com que a pessoa se torne coautora dos crimes”, afirma.

A operação de câmbio manual, também chamada de câmbio turismo, requer uma relação de confiança, uma vez que ela somente pode ser realizada por instituições autorizadas pelo Banco Central do Brasil, as quais são obrigadas a realizar o registro diário dessas operações junto à autarquia. Dessa forma, qualquer operação cambial realizada por meio de uma instituição ou agente não autorizado configura prática criminosa que sujeita os infratores a responderem pelos crimes de sonegação fiscal, evasão de divisas e lavagem de dinheiro.

De acordo com a regulamentação em vigor, bancos e corretoras de câmbio são autorizados a operar com o câmbio turismo e, a cada operação realizada, é exigida a confecção de um contrato, mesmo que simplificado, como nas operações de valores inferiores ao equivalente a US$ 3 mil. Portanto, a comercialização de moedas estrangeiras sem a emissão de contrato de câmbio é crime, além de fomentar o mercado ilícito.

Além desses cuidados, as pessoas precisam ter consciência para não fornecer documentos e informações pessoais para empresas que não sejam idôneas ou bem estruturadas. “Tem sido comum a utilização desses dados em contratos de câmbio fictícios elaborados por criminosos, ou seja, a pessoa é apontada como contraparte em uma operação de câmbio, sem que tenha conhecimento do fato, e essa situação poderá acarretar, entre outros danos, problemas na hora de elaborar a declaração do imposto de renda”, finaliza Botelho.

As operações de câmbio ilegais geram impactos negativos para toda a sociedade, pois elas fomentam crimes financeiros, como a lavagem de dinheiro, diminuem as receitas governamentais e acabam por expor os turistas a inúmeros riscos.

Foto Fachada 2

Aluguel de box para guarda de bens pessoais se torna um mercado lucrativo

By | Economia | No Comments

Com a mudança da sociedade, cada vez mais as pessoas procuram locais para guardar bens e objetos pessoais

Um novo tipo de negócio vem crescendo no Brasil e, agora, na capital federal, são os chamados self storage (auto armazenagem), que consistem em locações de espaços para guarda de bens e volumes. Tradicionais nos Estados Unidos, que já contam com aproximadamente 55 mil locais como este, no Brasil, os números já somam mais de 150 e, a tendência é que cresça ainda mais, principalmente, devido à mudança dos padrões de moradia da população.

Atualmente, os imóveis estão cada vez menores e, com isso, falta espaço para guardar objetos de valor – muitas vezes sentimental, mas que infelizmente ocupam espaço – ou até mesmo algo de pouco uso, como árvores de natal, arquivo morto de escritórios, materiais de coleção e hobby, como os de pesca e nado e, por isso, os self storages acabam sendo a solução exata. Sem contar para os comerciantes – que podem fazer do local um estaque de suas mercadorias – e para aqueles que irão passar uma temporada fora do país e precisam de um local seguro para guardar seus pertences.  Tudo com uma excelente vantagem: a segurança e a ausência de impostos, como o IPTU, e outras taxas, água, luz, condômino etc.

Seguindo essa vertente, será inaugurado, em Brasília, o HomeStock. Construído em uma área de 5.600 m², o local irá disponibilizar, nesta primeira fase, 720m²  de área construída, distribuída entre lockers e boxes com tamanhos que variam de 1.50m² a 20 m² para diversas necessidades dos clientes. Já na segunda fase, prevista para o 1º semestre de 2018, a área chegará a 1.800m².

O HomeStock é um serviço de grande utilidade para os brasilienses e, por isso, está localizado em uma área de fácil acesso, no SOF Norte, ao lado da Água Mineral. Segundo a sócia do empreendimento, Cintia Gonçalves, a localização do self storagefacilita a guarda/ recuperação dos objetos, pois fica próximo de grandes centros urbanos, sendo o eixo de ligação entre o sul e o norte da cidade.

Neste sentido, ainda buscando facilitar a rotina dos brasilienses que necessitam deste tipo de serviço, o HomeStock tem como ponto principal, o fato de dar maior liberdade ao cliente, pois cada um deles terá seu próprio cadeado e, dentro do horário de funcionamento, estará livre para colocar e/ou tirar o que quiser de seu espaço e, caso precise de um horário especial, poderá solicitar à administração. A inauguração está prevista para os próximos dias.

Home Stock – Self Storage

Mais informações:

www.homestock.com.br

Endereço: SOF Norte quadra 03 – Conjunto A – N. 05 Parte D – Asa Norte (ao lado da Agua mineral)

Telefone: 61-3465-2414

unnamed (1)

Inadimplência – Alta do desemprego faz moradores atrasarem parcelas dos condomínios

By | Economia | No Comments

“Conceder desconto para aqueles que atrasam suas cotas condominiais pode configurar enriquecimento ilícito”, explica o Dr. Rodrigo karpat

Está presente no artigo 1.336 do Código Civil e no senso comum dos moradores, o dever de pagar sua parte das despesas condominiais. No entanto, por se tratar de um elevado número de pessoas desempregadas no país, chegando a 14 milhões, uma quantidade equivalente a população da grande São Paulo, é normal que existam alguns moradores que atrasem o pagamento. E quando isso ocorre, o síndico não pode conceder qualquer tipo de desconto ou redução no valor a ser pago pelo inadimplente, sob pena de responder civilmente pelos prejuízos que der aos demais condôminos. Além disso, desconto de dívidas pode gerar enriquecimento ilícito, já que representa um benefício aos que estão devendo as parcelas. “Conceder desconto para aqueles que atrasam suas cotas condominiais pode representar um incentivo negativo para que outros deixem de pagar, buscando negociar melhores condições. Isso pode configurar enriquecimento ilícito e o síndico pode responder criminalmente”, comenta Rodrigo Karpat, advogado especialista em direito condominial e imobiliário.

De acordo com o Código Civil (artigo 1.350), as despesas do condomínio devem ser apresentadas em assembleia, seguido de aprovação do rateio e das contas. “Quando o desconto é concedido a algum morador, o custo das contas do condomínio aumenta, assim, com o rateio, o valor que o inadimplente deixou de pagar sobrará para o adimplente, enquanto o endividado fica com as melhores condições de pagamento. Consequentemente, lucrando ilicitamente”, diz Rodrigo Karpat. E em situações como as descritas pelo Dr. Rodrigo, o morador pode abrir processo na justiça. “Qualquer condômino que se sinta lesado, independente de aprovação em assembleia poderá, em defesa de seus interesses pessoais, ingressar com uma ação na Justiça em busca de ressarcimento dos danos sofridos”, afirma Karpat.

Após a aprovação em assembleia, o condomínio tem a prerrogativa de contratar qualquer empresa relacionada a cobrança e remunerá-la pelo serviço, porém isso também pode trazer uma perda aos condôminos em dia com as contas. “Seria razoável, por exemplo, a contratação de um advogado para efetuar a cobrança das cotas em atraso, além dos valores sucumbenciais. Esse profissional ajustará um percentual do resultado entre 10% e 20% como sua remuneração, uma forma plausível, embora ainda assim possa impor gastos àqueles que arcaram com suas cotas em dia”, completa Rodrigo Karpat.

unnamed

Pesquisa revela que 33 milhões de brasileiros deixam de viajar por dificuldade com idiomas

By | Destaques, Economia | No Comments

A conclusão é de um estudo internacional realizado pelo Hostelworld, plataforma líder mundial de reserva de hostels e albergues, com 8.478 mil adultos em países como Brasil, França, Reino Unido, EUA, Espanha e Itália, durante o mês de Abril de 2017.

 

Não ser capaz de falar línguas estrangeiras impede mais de 33 milhões de cidadãos brasileiros (16%) de viajar para o exterior. A conclusão é de um estudo internacional do Hostelworld, plataforma líder mundial de reserva de hostels e albergues, que utilizou o Google Surveys para questionar mais de 8.000 pessoas de seis países sobre suas habilidades linguísticas e como elas impactam nos planos de viagem.

Para ajudar os viajantes a superar as barreiras linguísticas, o Hostelworld desenvolveu o recurso “Speak the World” em seu aplicativo, que usa a tecnologia de tradução do Google Cloud para traduzir instantaneamente até 43 idiomas. Este recurso gratuito no aplicativo ajudará as pessoas a viajar sem medo com relação a dificuldade com alguns idiomas, permitindo-lhes ir ainda mais longe nas suas viagens e ir além dos lugares mais popularmente turísticos.

Os Estados Unidos da América seria o destino eleito pelos brasileiros se a língua não fosse um problema (14%), seguido da França, Alemanha, Japão e Itália (todos 4%). Os EUA (junto com o Japão) seriam também o destino principal para franceses, enquanto os americanos preferiam ir até à Itália, e britânicos, italianos e espanhóis optariam viajar ao Japão.

“A capacidade de falar outras línguas não é essencial quando se viaja e ninguém deveria sentir-se excluído por não falar um idioma – mas a verdade é que pode fazer uma grande diferença, ajudando-o a mergulhar totalmente na cultura do país visitado de uma forma que você não poderia de outra maneira. Tudo isso é reforçado pelas pessoas incríveis que você será capaz de encontrar ao longo do caminho”, explica Otto Rosenberger, diretor de marketing do Hostelworld.

Enquanto metade dos brasileiros (49%) são capazes de falar uma segunda língua, mais de dois terços da população (68%) ainda deseja melhorar numa segunda língua. As principais razões para aprender um novo idioma são visitar um país em particular (30%), aprofundar-se em outras culturas (20%) ou conhecer novas pessoas (19%).

Há ainda os que querem ser melhores em línguas para evitar contratempos como “se perder com tradução de línguas”. Em viagens anteriores ao exterior, um em cada sete brasileiros (14%) diz que se perdeu enquanto viajava porque não sabia falar a língua, e um número similar achou que não conseguia encomendar a comida que queria (12%). Um em cada 14 entrou no trem, avião ou outro meio de transporte errado (7%).

Outras obstáculos de linguagem incluem comprar coisas que eles não queriam ou não ser capaz de encontrar um banheiro, acidentalmente flertar ou insultar alguém (todos, 5%). Isso significa que um em cada dez brasileiros (12%) fica mesmo constrangido tentando falar outra língua.

“Viajar pelo mundo é uma das experiências mais gratificantes na vida, mas muitos ainda se preocupam que suas habilidades de linguagem os deixem mal quando viajam para o exterior. É por isso que adicionamos a tecnologia de tradução do Google Cloud no nosso aplicativo, para que as pessoas não só possam encontrar incríveis hostels/albergues, mas também conversar perfeitamente em 43 idiomas de uma forma divertida – ajudar a abrir o mundo e permitir que os viajantes possam ir ainda mais longe nas suas viagens”, acrescenta Otto Rosenberger.

Com apenas alguns toques o tradutor está pronto para funcionar; basta falar para o microfone do dispositivo e aguardar que as palavras sejam traduzidas. Em seguida a funcionalidade “ouve” a resposta e traduz de volta para o utilizador, e assim sucessivamente. Além disso, é possível definir a tela do dispositivo para apresentar uma boca e lábios cômicos que se movem com as palavras, criando climas descontraídos para conhecer novas pessoas. Tal como demonstrado neste vídeo gravado com o comediante Phil Wang na Indonésia: https://www.youtube.com/embed/ogUn4rIMnkk. O Hostelworld está disponível para download na Apple AppStore e no Google Play.

 

Sobre a pesquisa
A pesquisa foi conduzida através do Google Consumer Survey a 8.478 mil adultos, divididos igualmente por seis países – Brasil, França, Reino Unido, EUA, Espanha e Itália, durante o mês de Abril de 2017.

Powered by themekiller.com